Maratona

Correira … cansaço … poucas horas de sono. E muita diversão nos encontros de família.

O Natal foi um sucesso. Na passagem do dia 24 pro dia 25 todos reunidos aqui em casa – cerca de 27 pessoas (todos vieram).

Família Rodrigues

No almoço do dia 25, destino Nova Contagem – encontro de toda a família Baesse.

Família Baesse

 E o pior, todos gostaram e já querem marcar no ano que vem novamente. Acho que reencontramos o sentido do Natal..rs

Mesmo…

Se sentindo frágil…

Saber que pode contar com uma mão forte

Se sentidno forte…

Saber que continua ali esperando

Se sentidno perdido…

Saber que teus passos vai mostrar a saída

Se sentindo explorado…

Ter a certeza que não anda sozinho, mas que a mão te puxa

Quando não sabe a resposta…

Sempre aparece com uma alternativa

Nova estação

A pele branca reflete seus raios

E com eles, derrete em um suor intenso

O corpo meio enjoado e a boca seca

Avisam que o verão chegou

Chegou bem, chegou forte

Forte no sol, no calor

E na chuva que sempre o acompanha

Forte que dói aos olhos e queima a pele

Que nos exige proeza para dormir

E nos faz sonhar com a água gelada ….. água

Só ela pode aliviar essa sensação

Para os que moram perto do mar ou do rio

A solução é muito prática

Para os da montanhas de Minas, resta-nos beber

E as vezes pensar se seria posível mudar para dentro da geladeira

apenas 25

Ontem vi o resultado de um investimento a longo prazo. Na verdade é o início de um longo projeto de vida.

Aquele menino que tanto se falava mal, que não sabia escrever o nome. Hoje parece outro.

Depois de um ano de choros, sorrisos e de muita persisitência, chegou o boletim final da escola. Em todo ano ele se desenvolveu bem, mas no 4º bimestre a revelação.

Para a surpresa geral, aquele papel mostrava algo que não se cabe. Entre as 6 notas, quatro eram 25 (total) e duas eram 24. Nessa hora me lembrei do filme “O contador de história”  quando a pedagoga fala que “não existe criança irrecuperável“.

Esse menino tem nos mostrado isso. Mas ainda há muito o que avançar.

O Natal renasce com as crianças

Esse ano fiz diferente no Natal. Resolvi encarar tudo e comemorar aqui em casa.

Parece normal para a maioria das famílias, mas para minha não. Só lembro de Natal com toda a família quando era criança e olha que isso já faz um bom tempo. Depois da separação dos meus pais tudo ficou distante.

Crescemos e cada um parece que arranjou uma outra família para se agregar. Os Natais então passaram a ser apenas almoços no dia 25. Ou se pasava durmindo ou na casa dos namorados ou maridos.

Esse ano não. Disse que ia ter uma Natal de filme.. luzes, árvore grande, presentes debaixo dela e uma bela ceia. Que iria fazer isso porque as crianças merecem esse ritual… e por causa delas a alegria do Natal está voltando aqui em casa.

A família foi convidada, mas não tinha muita esperança de aparecerem. Mas mesmo se ninguém viesse, continuaria no meu propósito.

Mas não é que parece que só precisou alguém ter a coragem que todos aderiram. Se tudo se confirmar, estaremos todas as mulheres da família e netos no dia 24 pro dia 25 festejando e fortalencendo os laços.

É nessas horas que falo que todos já sonhamos com o papai Noel rsrsrsrs, mesmo sabendo que o mais importante do Natal é celebrar o nascimento de Jesus.

Deixa eu ir porque essa idéia está dando muito trabalho e tenho que preparar a casa para receber 20 pessoas. Muita coisa pra fazer até sexta, que o dinheiro se multiplique.

Pura felicidade

Para dar água na boca escrevo esse post. Acabo de chegar da festa do Téo. Um loiro lindo, de olhos esverdeados e a tranquilidade em pessoa. Mas com um sorriso sapeca que até se desconfia.

Ao ver essa foto, privilégio de ser casada com o fotógrafo, não resisti. Acho que ela expressa a pura felicidade. A inocência que tinhamos mas que com o crescimento deixamos pelo caminho.

A alegria pelo primeiro aninho. Com certeza ele não tem noção do que estavam comemorando. Mas não importa, ele curtiu mesmo assim.

Os anos passam rápido, mas do que gostaríamos, ou talvez temos passado tão rápido pelo tempo que não temos tempo de percebe-lo.

Momentos assim são bons para parar e curtir, na infância dos que hoje nascem, o que nos parece tão distante.

P.S. Nesses momentos também descobrimos o quanto estamos velhos, nossas crianças estão crescendo….rsrs